Mentoria de negócios
Como agir depois de um evento

👉👉👉 Links (muito) úteis:👈👈👈

Inscreva-se no site para receber dicas por e-mail (grátis)

Inscreva-se no grupo de Whatsapp para receber vídeos de gestão e negócios direto no cel (grátis)

Curso: COMO ATRAIR MAIS CLIENTES (grátis)

Conheça a Sala VIP de Negócios (assinatura)

Siga-me no Youtube

Siga-me no Facebook

Siga-me no Instagram

Siga-me no LinkedIn

Siga-me no Twitter

Qualquer um que já tenha participado de uma feira, sabe o que é chegar em casa com tantos cartões de visitas que não dá para lembrar quem faz o quê.

E pior: a maioria de nós, quando volta, entra imediatamente em modo de recuperação. Começa a retornar chamados, a responder as mensagens acumuladas durante a nossa ausência e deixa o material da feira parado por dias, às vezes semanas.

Isso é um erro. Grave! Porque reduz os benefícios de ter participado e pode fazer perder oportunidades importantes para retornar o investimento.

A boa notícia é que com um pequeno esforço concentrado nos dias que sucedem ao evento, a gente pode mudar esse quadro.

A seguir eu vou compartilhar com você uma fórmula que eu uso para estruturar as minhas pós-feiras.

O primeiro passo é reservar um “tempo de processamento”.

Em vez de voltar logo à ativa, eu dedico o primeiro dia da volta para encerrar as pendências da feira, processar o material.

Se eu não puder fazer isso, eu reservo as primeiras duas horas dos dias subsequentes e faço a mesma coisa, só que em etapas.

Por exemplo: normalmente eu volto com centenas de cartões de visitas e o problema é que a menos que os transfira rapidamente para algum tipo de banco de dados, eles se perdem.

Eu conheço gente que usa um aplicativo no celular, outros preferem planilhas excel – eu uso o módulo de CRM – Gestão de Relacionamento com Clientes, do ERP Nasajon.

A vantagem dele sobre a planilha é que se integra com os outros sistemas da empresa e me permite criar mensagens padronizadas, alertas e outras automações que facilitam o relacionamento com esses clientes.

Mas, como eu disse, você pode usar qualquer ferramenta com a qual esteja confortável. O importante é poder registrar a informação, incluindo onde você conheceu a pessoa por exemplo, para ajudar a lembrar dela no futuro.

No meu caso, eu também faço uma lista das pessoas com quem falei, mesmo que não tenha pego os cartões – aliás, hoje está cada vez mais difícil ter gente com cartão… é tudo troca de whatsapp. Então, você pega essa informação e transcreve para o sistema.

O segundo passo é identificar o tipo de relacionamento você quer estabelecer com cada uma dessas pessoas que conheceu.

Não dá para investir igualmente em todas as conexões, então a gente precisa priorizá-las.

Você pode usar outra classificação, mas quando eu separo os cartões uso três grupos: os contatos, leads e prospects.

Os contatos são pessoas interessantes, mas com as quais não há um ponto óbvio de conexão.

Essas eu incluo na lista e passo a enviar mensagens de tempos em tempos apenas para manter o contato.

Já os Leads são pessoas com quem existe um interesse declarado em avançar.

Nessa categoria, a missão é clara: há uma oportunidade de negócios e ambos queremos explorá-la.

Pode ser um cliente que pediu uma demonstração do sistema, ou um fornecedor que quer me apresentar um produto que me interessa conhecer.

Nesses casos, a gente entra em contato rapidamente e agenda o próximo passo.

Finalmente, o terceiro grupo é o dos Prospects. Pessoas com as quais não há um ponto de interesse tão óbvio, mas com as quais eu quero construir um relacionamento mais profundo no longo prazo.

Uma vez eu participei como palestrante de um Fórum Internacional de Logística e tive uma conversa de bastidores com um executivo da Natura.

Embora não tivesse nada para oferecer para ele naquele momento, nem ele para mim, aquele era um relacionamento que eu queria manter.

Então comecei enviando uma solicitação de amizade no LinkedIn para que ele passasse a receber periodicamente as minhas postagens no feed de notícias e também para eu poder ver quais eram os interesses dele.

Claro que tem outras formas de fazer isso e você pode ser criativo com tantas redes sociais pipocando a toda hora.

A ideia é transformar um encontro casual em algo mais significativo.

Em suma: se você participa de feiras e eventos, vale a pena implementar algum sistema de gestão de relacionamentos com clientes – não só para economizar tempo, mas principalmente, para aumentar o retorno do investimento nos eventos, transformando contatos rápidos em verdadeiros relacionamentos.

Para mais recomendações sobre negócios, participe da conversa empresarial, que eu promovo toda quarta-feira às 21h.

Basta deixar o seu nome aqui: claudionasajon.com.br/aovivo

Até a próxima.